A Cracolândia, seus dependentes e seus traficantes

craco

Muito se falou na semana passada sobre a ação da Polícia Civil, do DENARC, na Cracolândia. Foi uma ação forte, ríspida, violenta, sem dúvida. Teve bomba de gás, correria e quebra-quebra. Quem passava por lá, ou quem viu as cenas por fotos e vídeos, viu que a coisa não foi fácil.

Como sempre, os “intelectualóides” trataram de se pronunciar e vomitar suas opiniões, sem ao menos estudar a fundo o problema. Como em toda a situação, existem pelo menos 3 verdades: a sua, a do outro, e a verdade propriamente dita. Cada um tem um olho para observar determinada situação e esse cada um a observa como achar melhor, mais conveniente para ele.

E volta à tona aquela velha questão: na Cracolândia só tem doente realmente? São apenas drogados que estão acabando com a própria vida e não fazem mal a ninguém, a não ser a eles mesmos?

Depois da ação, a Prefeitura de São Paulo disse que “caiu por terra” todo o trabalho que vinha realizando de recuperação desses drogados, a “Operação Braços Abertos”, lançada no começo do ano. Segundo a Prefeitura, “os dependentes de drogas formam um segmento social vulnerável que tem como viga mestra de sustentação o próprio vício. É difícil que saiam da dependência sem ter outras formas de se sustentar. Ou seja, moradia, alimentação e emprego ampliam as condições para o tratamento para sair do vício alcance melhores resultados”. E concordo. É necessário mesmo que se faça um trabalho social com esses dependentes para que eles sejam inseridos novamente na sociedade.

Agora, o que não podemos ignorar é o fato de que, se os dependentes se juntam EXATAMENTE ali, é porque alguma coisa os leva até lá. E todo mundo sabe o que é, não precisa ficar de hipocrisia: o dependente de droga vai onde tem a droga. O comércio de drogas acontece livremente por lá e, até onde me consta, a venda de drogas é crime. Portanto, um problema sim de segurança pública. O traficante deve sim ser preso e receber as devidas sanções legais.

O dependente, para manter o seu vício, precisa pagar o traficante, o que o leva a cometer roubos e furtos, a agredir pessoas e se torna violento para sobreviver no seu mundo. Aí temos outro problema de segurança pública, que deve também ser combatido como qualquer outro problema de segurança pública.

A ação da polícia foi legítima sim, tanto quanto a ação da prefeitura. Ou seja, vamos ficar discutindo aqui eternamente sobre o fato em si e nunca chegaremos ao necessário, ao que deve ser feito: uma ação conjunta dos dois poderes, Polícia (Estado) e Assistência Social (Prefeitura) para que o problema se resolva. Essa é a única maneira. E enquanto os dois, Estado e Prefeitura, não sentarem e conversarem sobre o problema, vai ser sempre assim, cada um achando que a sua ação ou o seu projeto é a que vale a pena e a outra vai atrapalhar.

Como disse aquele velho filósofo, o buraco é bem mais embaixo. E temos que descer até lá para resolver.

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Uma resposta to “A Cracolândia, seus dependentes e seus traficantes”

  1. Maria Regina Says:

    Muito tênue os limites dos nossos direitos. Mas não podemos ficar assistindo tudo sem reagir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: